Diferenciando a Pessoa Física da Jurídica segundo o princípio da entidade.



Existe um princípio muito importante no dia a dia do empreendedor que é o princípio da entidade, segundo esse princípio, não se pode misturar a pessoa física com a jurídica, afinal cada um é uma pessoa com suas responsabilidades e obrigações.


Se analisarmos mais a fundo o princípio da entidade, enxergamos logo de cara uma das principais aulas de empreendedorismo existente, afinal, se você não souber diferenciar a sua vida pessoal da empresa, o seu dinheiro e o dinheiro da empresa, os ativos da empresa e o seu patrimônio e assim por diante, você com certeza esta no caminho do fracasso.


A diferenciação já se inicia fazendo a abertura da conta correte da empresa. Não interessa se é “MEI”, ME ou EPP, separar as contas e consecutivamente as receitas e despesas é uma das questões básicas para manter o princípio da entidade válido no seu dia a dia.


Com a empresa tendo sua própria conta corrente, agora é hora de separar as despesas, nada de pagar contas pessoais com a conta corrente ou cartão de crédito da empresa, saiba separar as coisas, isso facilitará a vida da contabilidade e demonstrará estrutura nas escriturações (além de ser uma norma legal). Entenda que o dinheiro da empresa não é o seu dinheiro, o seu provém de retiradas de pró-labore ou distribuições de lucros.



Aliás, nesse assunto ainda, é hora de definitivamente você parar de dizer que é “sua empresa”, a empresa precisa de autonomia para crescer e ganhar corpo, sendo assim, tenha a sua empresa como a sua chefe - você é o CEO - a quem efetivamente você precisa superar as expectativas. Você precisa de qualquer forma prestar contas com a sua empresa, precisa ser um “funcionário” exemplar, que “veste a camisa” e é o pilar de sustentação de crescimento, a soberba do nome empresário, precisa sair do seu dia a dia nesse início, foco!

...tenha a sua empresa como a sua chefe...

Saber separar as receitas também é um dos pontos mais importantes, se você definitivamente “sugar” todas as receitas sem que a empresa ganhe corpo para se capitalizar, fará com que você ande em círculos no famoso “círculo da sobrevivência”. Sente com seu contador e provisione as suas retiradas, defina se serão via retirada de pró-labore, distribuição de lucros ou a mistura das duas coisas, mas, sempre provisione investimentos focados no crescimento da empresa, sempre e sempre.


Culturalmente aprendemos no Brasil a se apegar a empresa como se fosse parte da família, enquanto que em outro países se mantém a cultura do “equity”, que é a estrutura para venda futura, dessa forma, todas as operações seguem os melhores padrões, as escriturações mais enxutas e tudo leva a demonstrar estrutura, afinal, a qualquer momento pode chegar uma "proposta de compra".


Assim deve ser a sua vida como empresário, mesmo que você não tenha a intenção de vender a empresa, mantenha tudo estruturado, precifique, englobe os impostos, custos e despesas no preço final, aprenda sobre a contabilidade de custos e principalmente, tudo o que você fizer, faça focado na maior e melhor empresa do mundo que é a sua.


Marcio Pimentel





2 visualizações0 comentário